Domingo

As 19h00 | Culto da Família

Quarta-Feira

As 19h30 | Culto de Oração

Sábado - RJCM

As 19h30 | Culto de Jovens

Artigos

Sola Scriptura

Preciso apenas de uma ou duas linhas para resumir tudo

Repórter – O doutor poderia resumir em poucas palavras o conteúdo básico da revolução religiosa que está acontecendo na Europa desde 1517? Lutero – Preciso apenas de uma ou duas linhas para resumir tudo: “sola scriptura”, “sola gratia” e “sola fide”. Essas expressões latinas são os nossos três “somentes”: só as Escrituras, só a graça e só a fé.

Repórter – Foi o doutor quem inventou esses três “somentes”? Lutero – Eu não inventei. Eles já existiam. Mas estavam lamentavelmente cobertos de poeira grossa e teias de aranha, arremessados à sujeira e pisoteados. Pela graça de Deus, redescobrimos o valor das Escrituras, o valor da graça e o valor da fé, tiramos a poeira, lustramos essas riquezas e as trouxemos à luz do dia. Agora que está tudo limpo e brilhando de novo, cada um pode ver como é o evangelho de Jesus.

Repórter – O que o doutor quer dizer com o “sola scriptura”? Lutero – Quero dizer que somente a Escritura — e não a Escritura somada à tradição da Igreja — são a fonte de revelação cristã. A Bíblia deve ser a primeira e a última palavra para qualquer declaração de fé.

Repórter – Então o doutor se coloca em oposição à rica tradição da Igreja. Lutero – Não é bem assim. Eu coloco a Escritura acima da tradição, e não o contrário.

Repórter – Nunca em pé de igualdade?

Lutero – Também não. Pois a Escritura não pode ser equiparada à tradição. São Paulo diz que “toda Escritura é inspirada por Deus” (2 Tm 3.16). Não se pode dizer o mesmo com respeito à tradição.

Repórter – Em que lugar o doutor coloca os pronunciamentos papais?

Lutero – Sempre abaixo da autoridade da Bíblia. Esta deve governar como Palavra de Deus na Igreja e não pode ser embaraçada pelo magistério papal nem rivalizada por supostas revelações adicionais.1

Repórter – Mas há coisas que a Escritura não explica. Lutero – Na “Exposição de Romanos”, de João Calvino, o reformador francês radicado em Genebra, 26 anos mais novo do que eu, afirma acertadamente que não devemos “procurar saber nada mais senão o que a Escritura nos ensina”. Ele diz também que “onde o Senhor fecha seus próprios lábios, devemos impedir que nossa mente avance sequer um passo a mais”.

Repórter – Já que o doutor mencionou o nome de Calvino, pergunto se vocês estão de acordo quanto ao “sola scriptura”.

Lutero – Apesar de nossas divergências de ênfase e de estilo, eu, Calvino e Ulrico Zwínglio, o reformador suíço, nascido um ano depois de mim, estamos de pleno acordo quanto à centralidade da Palavra de Deus e quanto à certeza de que a Escritura é a fonte para se pensar em Deus.2

Repórter – A Escritura está ao alcance do povo?

Lutero – De 1457, dezessete anos depois da invenção da impressão com tipos móveis, a 1517, ano das “Noventa e Cinco Teses”, foram publicadas mais de 400 edições da Bíblia. Não estou incluindo nessa estatística o Novo Testamento de Erasmo e a Bíblia em alemão por mim traduzida.

Repórter – O preço de cada exemplar da Escritura deve ser proibitivo.

Lutero – No passado, as Bíblias em latim custavam 360 florins. As mais elaboradas, chegavam a custar 500 tálares. Mas o Novo Testamento que traduzi logo após a Dieta de Worms, é vendido a um florim e meio!

Repórter – Qual a relação entre o “sola scriptura” e o “sola gratia”?

Lutero – O primeiro “somente” nos leva ao segundo “somente”. Isto é, na leitura da Escritura redescobrimos que a vida eterna é o dom gratuito de Deus, como São Paulo ensina na Epístola aos Romanos (6.23). A Escritura, e nada mais, é o instrumento pelo qual o Espírito nos conduz à graça. A Igreja há muito tempo deixou o “sola gratia” no esquecimento e começou a tornar a salvação mais difícil, distante, incerta, meritória e burocrática.

Repórter – Mais lucrativa também? Lutero – Não posso negar esse fato, frente ao problema do comércio das indulgências, quando o perdão de pecados e a remissão da culpa são vendidos de cidade em cidade muito mais em benefício do Estado papal do que das almas.

Repórter – O que o doutor quer dizer com o “sola gratia”?

Lutero – Entendo e prego que o pecador é justificado somente pelo amor, pela misericórdia e pela graça de Deus, e nada mais. O “sola gratia” tanto me abaixa até o pó como me ergue até às estrelas. Primeiro me humilha, depois me honra; humilha-me quando me informa e me convence de que não tenho nada para oferecer em troca da salvação; honra-me quando me informa e me convence de que em Cristo fui salvo (isto é justificação), estou sendo salvo (isto é santificação) e serei salvo (isto é glorificação). A graça de Deus me livra da culpa, do poder e da presença do pecado.

Repórter – Mas isso é formidável! Lutero – De fato. Todavia, como reza o “sola scriptura”, “olho nenhum viu, ouvido nenhum ouviu, mente nenhuma imaginou o que Deus preparou para aqueles que o amam” (1 Co 2.9). Deus ainda tem muito mais para nos oferecer e mostrar.

 

*31 de Outubro – Dia da Reforma Protestante

31/10/2014 -

Fonte: Trecho retirado do livro Conversas com Lutero, p.